Você está aqui
Home > R3E > A História do Que se Passou Até Agora

A História do Que se Passou Até Agora

 

Em 2016, a competição Mercedes-AMG Motorsport eRacing trouxe um novo e emocionante formato para o RaceRoom e para a cena do automobilismo virtual. Mais de 10.000 pilotos virtuais tentaram qualificar-se através das tabelas de ranking no simulador para um evento final no Hockenheimring, onde os melhores pilotos competirão contra pilotos de automobilismo (reais) em simuladores RaceRoom iguais, para ganhar uma experiência de condução AMG – a oportunidade de conduzir carros desportivos de alta performance num autódromo. No final, o alemão Tim Heinemann, de 19 anos, foi o vencedor.

Para a temporada de 2017, a Mercedes-AMG e o RaceRoom intensificaram o desafio para criar uma competição ainda mais emocionante. Em vez de um concurso de hotlapping puro a ser determinante para a qualificação, os pilotos agora têm que competir em uma temporada completa de nove corridas, de 20 minutos, para se qualificarem para o evento final, onde os 6 melhores pilotos serão convidados a competir contra os pilotos oficias da Mercedes-AMG no DTM. Três pacotes AMG Driving Experience são os prémios para os melhores pilotos virtuais no evento final.

Mais uma vez, a versão virtual do Mercedes-AMG C 63 DTM, cuidadosamente recriada no RaceRoom para combinar o mais próximo possível com o carro original, foi a escolhida para ser utilizada por todos os participantes. Para ‘apimentar’ ainda mais o desafio, para cada etapa, um convidado VIP, piloto de competição da AMG, compete contra os 18 mais rápidos.

Quanto aos pilotos virtuais, o campeão Tim Heinemann voltou, representando o Team Racegitter.de na’skin’ cor-de-rosa do BWT com o número 46. O seu rival mais próximo, do ano passado, Julian Kunze, compete no EURONICS Gaming no #3 da TV Spielfilm, enquanto o piloto da  Impact Racing, Alexander Dornieden, escolheu o carro cinza #6 Mercedes. Mas são muitos os novos concorrentes, com muita experiência de corridas virtuais, que também têm estado muito bem, incluindo o britânico Jack Keithley, na máquina prata #20, bem como o trio BWT composto por Jaroslav Honzik, Florian Hasse e Kevin Siggy Rebernak.

A primeira etapa teve lugar em Hockenheim e o piloto VIP não era outro senão Pascal Wehrlein, atualmente a competir na Formula 1. Julian Kunze abriu a temporada a liderar na primeira tabela de classificação. Na qualificação, o recém-chegado Jack Keithley parecia o certo para obter a ‘pole position’, mas nos últimos segundos da sessão de qualificação, Tim Heinemann melhorou o seu tempo e garantiu-se na ponta do ‘grid’. O campeão em título arrancou bem para a corrida e, após a pressão inicial de Keithley, abriu distância. Keithley começou a ter de se defender de Dornieden na luta pelo segundo lugar e tudo deu errado após os dois pilotos se tocarem à entrada da arquibancada da Mercedes. Julian Kunze foi quem mais beneficiou da situação, isolando-se no segundo lugar, mas longe de Heinemann, que continuou onde havia parado em 2016, ou seja a vencer.

Para a segunda etapa, no Lausitzring, Heinemann estava ausente. Isso abriu a porta para Keithley, mas o austríaco Kevin Siggy Rebernak foi o  mais forte no circuito da ex-Alemanha de Leste. Keithley e Rebernak qualificaram-se na primeira linha e começaram a lutar desde o arranque, trocando a liderança várias vezes. Keithley estava a dar tudo para ficar na frente e quando Rebernak assumiu a liderança na curva 1, logo após atingir a metade da prova, Keithley deu-lhe um toque na traseira, foçando a entrar em pião. Rebernak perdeu várias posições, enquanto Kunze e Moritz Löhner estavam de repente na batalha pela vitória. Keithley conseguiu aguentar a primeira posição mas as penalizaçõess pós-corrida fizeram-no perder quase todos os pontos que havia conquistado. O piloto VIP, Daniel Juncadella, exibiu-se em bom nível, ficando a uma posição dos lugares pontuáveis.

O Hungaroring foi o palco seguinte, ao receber a 3ª etapa, onde Jack Keithley deu a resposta perfeita depois de ser criticado pela sua condução no Lausitz. O britânico, representando o Team Satellite, venceu e convenceu, liderando do princípio ao fim, apesar de estar sob a forte pressão de Julian Kunze durante toda a prova. Kunze conretizou mais um segundo lugar. Atrás destes dois, assistiu-se a uma disputa espetacular. Tim Heinemann esteve ao ataque depois de uma prestação menos conseguida na qualificação e não deu hipóteses, terminando a corrida na 3ª posição, mas tal como Keithley no Lausitz, foi penalizado após a corrida.

Para a quarta etapa, os eRacers foram para o Norisring. O circuito de rua em Nuremberga é conhecido por proporcionar corridas emocionantes, mas também sempre um pouco controversas e este evento não foi exceção. Keithley classificou-se na pole e assumiu o comando da corrida no arranque, mas as bandeiras vermelhas foram mostradas 5 minutos mais tarde. Keithley estava intratável e no novo arranque, saltou para a frente, embora tendo de se defender de Rebernak na curva 1, após a qual começou a abrir distância. Rebernak lutou contra Heinemann e no primeiro gancho, os dois pilotos da BWT colidiram, com Heinemann a ser bastante prejudicado. Keithley venceu na frente de Rebernak, mas a luta pelo terceiro lugar foi emocionante até ao fim. Florian Hasse e Nick Madsen, dois pilotos que tinham estado discretos até agora, embora a melhorar a cada etapa, lutaram até ao fim, com a vantagem para Hasse.

O que se seguiu foi uma viagem até à Rússia, ao Moscow Raceway. Jack Keithley na pole, algo que começava a tornar-se a regra. Mas, desta vez, Tim Heinemann estava lá fora para provar por que é ele o campeão em título. Heinemann surpreendeu Keithley na primeira volta e assumiu a liderança. A corrida foi emocionante, com disputas por todo o pelotão e o piloto VIP, Daniel Juncadella, estava a evoluir, regularmente dentro dos pontos durante a maior parte da corrida. Keithley, enquanto isso, estava observando Heinemann, poupando os pneus e à espreita de um erro do alemão. Na segunda metade da corrida, Keithley partiu para o ataque. A sua primeira tentativa falhou, mas a cinco minutos do fim conseguiu bater Heinemann em aceleração, à saída da última curva. Heinemann estava a lutar com os pneus e Nick Madsen viu aí uma oportunidade, mas quase perdeu o controlo do Mercedes quando tentou a ultrapassagem na curva 4. Keithley venceu mais uma vez, seguido de Heinemann e do piloto checo Jaroslav Honzik.

A batalha entre Keithley e Heinemann aumentou ainda mais na mais recente etapa, disputada em Zandvoort. Keithley colocou seu Mercedes-AMG C63 na pole uma vez mais, mas Heinemann conseguiu um melhor arranque a partir do segundo e tentou assumir a liderança, do lado de fora da primeira curva. Acabaria por ser ‘empurrado’ para a escapatória, caindo para o 3º lugar. Pouco depois, Heinemann colidiu com Rebernak mas ainda assim recuperou o segundo lugar, para duas voltas mais tarde passar Keithley na chicane. Keithley tentou ripostar e ambos os pilotos trocaram posições mais uma vez com peças dos carros a espalharem-se pela pista, devido à condução agressiva que ambos exibiam. Mais adiante, Keithley também perdeu uma posição para Jaroslav Honzik que teve um ótimo desempenho no traçado holandês. Com isto, Keithley não conseguiu melhor que ser 3º, enquanto Heinemann venceu, mas acabaria por receber outro presente amargo. Após ser confrontado com outra penalização, embora a vitória não lhe tenha sido retirada, o alemão acaba suspenso por uma etapa.

Para o campeonato, isso significa que Keithley está agora confortável na frente, com 95 pontos, já incluídos os pontos de penalidade e um resultado negativo. Heinemann está à frente de Kunze e Rebernak, com Florian Hasse e Jaroslav Honzik completando o top 6, ambos os pilotos iguais em pontos neste momento. Moritz Löhner, Matthew Williams, Nick Madsen e o sempre a evoluir, Daniel Schön, completam o top 10 neste momento e ainda podem conseguir a qualificação para a final.

Há três etapas ainda por disputar: a clássica alemã no Nürburgring, as colinas de alta velocidade de Spielberg e, tal como no DTM real, Hockenheim fecha mais uma vez a temporada. O grande evento final acontecerá na sexta-feira, 13 de Outubro, na ‘hospitality’ da Mercedes-AMG durante o fim de semana definitivo da temporada DTM, em Hockenheim, onde os 6 melhores pilotos virtuais e os 6 pilotos Mercedes-AMG no campeonato de turismo mais mediático do mundo, competem pela ‘coroa’ de eRacing.

Fotos: Oficiais/RaceRoom

 

Facebook
Twitter
Youtube

 

Artigos Semelhantes

Top